X

Tudo o que você mais ama

Assine para receber muitas novidades,
promos, dicas e achados do fantástico
universo online. E claro,
tudo isso com muita inspiração.

X
12/04/2019 | Stephany Melo

Uma inspiração modernista por dentro da mostra “Tarsila Popular”

Lifestyle Tudo Moda Decoração História


Todo mundo – ou a grande maioria de nós – já fez um desenho do “Abaporu (1928)” quando estava na pré-escola, e foi acompanhada desta e outras 120 obras de Tarsila do Amaral, parte do ciclo “Histórias das mulheres, histórias feministas”, que a exposição “Tarsila Popular” desembarcou no Masp. E cá entre nós, ela não poderia ficar de fora do nosso radar e curadoria.

"Azul puríssimo, rosa violáceo, amarelo vivo, verde cantante". Fizemos o check-in na abertura da expo, que é popular do tema à paleta e traz discussões sobre raça, classe e colonialismo, traços que ficam claros já na obra central do primeiro corredor: “A Negra (1923)”. Além de produto de interesse de Tarsila, a obra é resultado de sua observação direta da violência nos corpos de mulheres negras no contexto pós-abolição. “Tinha lábios dependurados e seios enormes porque, na época, escravas amarravam pedras a seus seios para prolongá-los e jogá-los por sobre o ombro para amamentar crianças amarradas em suas costas”, contou Tarsila em entrevista de 1972.

A Negra (1923). Crédito: Romulo Fialdini

Entre um corredor e outro, as cores e formas no traço da artista passeiam por críticas sociais e fases que vão dos primeiros anos e cubismo ao neo pau Brasil, quando renovou seu trabalho focado em cenas cenas brasileiras e paleta caipira. E no meio de tudo isso, é quase impossível tirar os olhos do estilo elegante da pintora por trás de seus autorretratos. 

Com seu olhar voltado ao popular, Tarsila captou personagens, temas e narrativas que resultou em trabalhos como suas cenas de carnaval, favela, lendas populares e indigenas, como é o caso de obras como "A cuca (1924)" — que diga-se de passagem, tem uma paleta inspiradora para a decor ou look do dia. 

Autorretrato I (1924). Crédito: Romulo Fialdini/Tempo Composto
Autorretrato - Le Monteau Rouge (1923). Crédito: Jaime Acioli

A cuca (1924). Crédito: Romulo Fialdini

Gostou? Visite a exposição até 28 de julho, mas enquanto isso, aproveite para #Shopnow essa seleção e acrescentar um toque especial ao seu lifestyle:

 

Em destaque

assine nossa newsletter

Voltar ao topo Voltar ao topo