X

Tudo o que você mais ama

Assine para receber muitas novidades,
promos, dicas e achados do fantástico
universo online. E claro,
tudo isso com muita inspiração.

22/10/2020 | Juliana Cunha

Ronda da semana: velhice, rumos da moda e internet em pauta

Tudo Moda Lifestyle História

Um overall do Instagram

Esse texto do The Guardian analisa atentamente o Instagram, que celebra sua primeira década em 2020. Descrito como “fenômeno cultural e econômico”, o aplicativo revolucionou a maneira como compartilhamos nossas vidas, por meio de imagens estáticas ou em movimento, e afetou nossa identidade, autoestima e percepção sobre aqueles que nos cercam — ou aqueles que acompanhamos à distância. Em dez anos, o Instagram "reconectou a sociedade. Mudou a nossa aparência, o que comemos, os nossos relacionamentos, como votamos, onde vamos nas férias e em que gastamos o nosso dinheiro. Das Kardashians aos avocados e à saúde mental, muitas histórias da última década fazem parte da história do Instagram”. A chave para a mudança? “Foi a primeira plataforma a reconhecer que, no século 21, nosso relacionamento mais importante é com o nosso celular.”

O feminismo há 50 anos

Em tempos em que uns dizem que é infeliz a existência do feminismo (sim, Robinho, estamos falando de você), a Vogue retoma o movimento dos anos 70 e debate porque perdura sua relevância: 50 anos se passaram, mas as pautas daquela época seguem em voga. Sem recortes como cor, classe ou sexualidade, será que as reivindicações daquele tempo são mais fáceis de digerir?

O passado do East Village em fluxo

Michael Kimmelman, crítico de arquitetura do The New York Times, traz no tour da vez o bairro do East Village, que carrega ainda sua bagagem boemia, estudantil e vanguardista. Fotos de Zack DeZon.

Pequeno e compacto

Esse apartamento de 46 m² que saiu no Architectural Digest é uma graça! A prova de que dá para morar em espaços pequenos sem viver na bagunça de espaços misturados. 

Google na mira

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos abriu uma ação contra o Google. O texto afirma que a empresa monopoliza de forma ilegal o mercado de busca e publicidade, pois tem feito “acordos exclusivistas e de conduta anticompetitiva” com distribuidores como Apple, Motorola, Samsung e LG, além de operadores de telefonia norte-americanas e browsers, para se tornar dominante no segmento. O objetivo seria tornar o Google o buscador padrão de aparelhos e serviços. Um dos maiores casos antitruste (que vai contra esse monopólio capitalista) dos Estados Unidos tem sido consenso tanto para republicanos como para democratas: independente do resultados das eleições presidenciais, o Google deve continuar sendo processado.

Old Man Repeller

 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 

Uma publicação compartilhada por OLD MAN REPELLER 🦞🌶 (@oldmanrepeller) em

Teve uma época em que Leandra Medine era meu equivalente contemporâneo à Carrie Bradshaw: eu queria ser ela, trabalhar com ela, me vestir como ela. Essa imagem foi se dissipando ao longo do tempo, mas principalmente este ano, quando surgiram críticas de ex-funcionárias e outros microescandâlos. Leandra se afastou de seu Man Repeller e mudou o nome para apenas Repeller. Depois do perfil @oldceline, que mostra a saudosa Céline acentuada de Phoebe Philo, eis @oldmanrepeller, um perfil dedicado aos good old days de Leandra.

Estamos fetichizando a pandemia?

Pedro Diniz escreveu para a Folha de S.Paulo essa análise sobre as semanas de moda. Para o crítico, se antes tínhamos a máscara como um EPI que deveria ser imune às garras das tendências, agora as grifes ressignificaram essa ideia e desfilaram não só elas, mas também bolsinhas de álcool gel e outros cacarecos advindos da pandemia. Para ele, a mensagem é a de que grifes vão incorporar esses signos e voltar à normalidade, não importa qual seja a sensação que isso transmita a quem compra, mas mais: a quem admira e deseja.

A esperança do que vem por aí

 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Idiosyncraticfashionistas (@idiosyncraticfashionistas) em

Mirian Gondelberg, antropóloga e escritora (a coluna dela na Folha de S.Paulo é imperdível!), falou à Gama sobre velhice. Sim, porque vamos deixar de lado os eufemismos de terceira idade, melhor idade e amadurecimento e tratar o processo de envelhecer como se deve: com naturalidade. Com um trabalho direcionado aos superidosos, aqueles que têm mais de 90 anos, Mirian desmistifica a ideia de velhice como algo triste ou desprezível, e acredite: vai ser a sua bandeira também depois de ouvir o que ela tem a dizer. 

Beijos e bom fim de semana.

Em destaque

assine nossa newsletter

Voltar ao topo Voltar ao topo