X

Tudo o que você mais ama

Assine para receber muitas novidades,
promos, dicas e achados do fantástico
universo online. E claro,
tudo isso com muita inspiração.

01/05/2020 | Juliana Cunha

Ronda da semana: Chloë Sevigny, nova etiqueta e produtividade

Tudo Lifestyle História

Não tinha me sentido tão produtiva até esta semana. Sei que essa cobrança por produtividade tem feito mal para muita gente. Você não precisa fazer um curso online, aprender a tocar um instrumento ou estudar um novo idioma, fique tranquila. Estou falando disso porque foi verdadeiramente prazeroso escrever mais - vai ter uma entrevista super legal por aqui na semana que vem! -, ler um pouquinho na hora do almoço, terminar mais um livro, enfim, pequenas conquistas que eu não sentia há dias. No fim, me identifico muito com o que a Haley Nahman (já falei da newsletter Maybe, Baby semana passada e fica aqui esse reforço) disse no e-mail de quarta-feira: “O problema é que o que eu quero de mim é consistência. E isso sempre acaba se chocando com o fator da minha humanidade.” Minha lição esta semana foi essa: ser mais gentil comigo

Na ronda desta semana, quis pensar em leituras gostosas (mas tem também notícia e textão triste, desculpa qualquer coisa), como a entrevista com a Chloë Sevigny, capa do the Cut de Maio; a com o Valter Hugo Mãe n’O Globo; e um guia jocoso do Man Repeller sobre dúvidas de etiqueta relacionadas à quarentena. Boa leitura, bom feriado e bom proveito :)

Zoom com Chloë Sevigny

 
 
 
View this post on Instagram
 
 
 

A post shared by The Cut (@thecut) on

A capa do the Cut de maio é Chloë Sevigny, atriz de 45 anos aos nove meses de gravidez. Na entrevista, tópicos como o amor pela cidade de Nova York - ela indica o livro “The Lonely City", de Olivia Laing, que eu comprei esta semana -; o fato de estar sozinha e como isso tem sido melhor agora do que teria sido quando ela era mais jovem; estar grávida (“torna tudo ligeiramente aumentado”; e o quão desagradável é ter ligações via vídeo (Chloë abriu uma exceção para a fotógrafa Elizaveta Porodina). Lembro de gostar de Chloë como modelo, como atriz, por seus posicionamentos, mas não lembro de ler uma entrevista tão legal com ela. Como bem diz a matéria de Emilia Petrarca, a “perene ‘it girl’ conquistou sua reputação por ter um gosto impecável em tudo e demonstrá-lo com uma indiferença inebriante.”

 Aconchego em potência máxima

O ator James Van Der Beek (aka Dawson’s Creek) abriu sua casa em Beverly Hills, onde mora com a esposa Kimberly e os cinco filhos (todos fofos!) ao Architectural Digest. A casa, decorada por Tammy Price, ficou pronta semanas antes da quarentena, ou seja, timing perfeito para que a família pudesse desfrutar de seu paraíso particular nos dias de isolamento. Acolhedor, funcional e sereno, o lar que antes Van Der Beek definia como “ilha dos móveis desajustados” passou por uma operação de sucesso. Seguindo o estilo “cores ao mínimo, texturas ao máximo”, o lar tem uma amálgama de energia e tranquilidade, cada pilar em doses ideais. 

Diga amém pela produtividade de vhm

 
 
 
View this post on Instagram
 
 
 

A post shared by iLove.e ✨ (@ilove.e) on

Valter Hugo Mãe é um dos meus autores preferidos. Conheci o autor no ano passado e se ele chegou a esse patamar tão bem quisto na minha lista pessoal de lá para cá, nem imagino que posições de reconhecimento ele vai alcançar no meu microcosmos quando eu adentrar mais e mais sua bibliografia. A questão é que, em entrevista ao Globo, ele contou que a pandemia está o ajudando a escrever dois livros. “Entre as notícias e a fuga para meus mundos literários, o tempo está correndo”, disse ele, que, na contramão dos debates sobre a falta de produtividade - afinal, como bem disse minha amiga Laís Franklin, não estamos de home office: estamos tentando trabalhar em casa no contexto de uma pandemia -, conta que “exige um esforço de abstração, uma capacidade de fuga. Mas acontece.” 

Silvia Venturini Fendi no podcast do BOF

Às sextas-feiras, o BoF disponibiliza episódios de seu podcast, sempre apresentados pelo editor-chefe Tim Blanks. O da última semana entrevistou Silvia Venturini Fendi, diretora criativa da Fendi, em um papo que foi da rotina de Silvia, isolada desde 8 de Março (tentar acordar no mesmo horário, cuidar das plantas, cozinhar) até o que a moda promete para o mundo pós-pandemia. Ela propõe uma reflexão sobre tecnologia, trazendo à tona seu papel central com showrooms digitais e realidade virtual para exibir coleções; foco em praticidade e atemporalidade para roupas; e até uma revisita às modelagens do arquivo da marca. 

Etiqueta da quarentena

Como finalizar uma ligação em vídeo já que todos sabem que não tenho outro lugar para estar? Como começar uma conversa sem o clássico “quais as novidades”? Como pedir à pessoa que mora comigo que use fones de ouvido em suas ligações? A quarentena mudou nosso comportamento e criou dúvidas de como viver em sociedade - à distância ou sem qualquer privacidade. O Man Repeller fez esse guia que não deve ser levado tão a sério, mas te trará uma pitada de humor. Ah, devo acrescentar aqui outro ótimo post do MR desta semana: uma carta de amor a Stanley Tucci (o Nigel de O Diabo Veste Prada e Paul de Julie & Julia, sim), que tem sido a melhor celebridade norte-americana da quarentena.

Saint Lauren pula fora do calendário

 
 
 
View this post on Instagram
 
 
 

A post shared by SAINT LAURENT (@ysl) on

A Sain Laurent anunciou esta semana que estará fora da Paris Fashion Week, em setembro. Em entrevista ao WWD, o diretor criativo Anthony Vaccarello, acompanhando pela CEO Francesca Bellettini, disse que não quer “apressar uma coleção apenas porque há um prazo. Nesta temporada, quero apresentar uma coleção quando eu estiver pronto para mostrá-la.” Francesca completou: “A criatividade não pode ser forçada a seguir um cronograma arbitrário e predefinido, mas deve ser livre para se expressar na forma, no local e no tempo que Anthony achar apropriado.” A princípio, a mudança vale apenas para 2020, mas pode ser prolongada caso eles considerem apropriado.

Nenhum DNA italiano necessário

De macarrão bolonhesa a saladas e sopas, o The Every Girl reuniu 30 receitas sintonizadas com raízes italianas para você dar um twist no seu repertório gastronômico.

Gigante norte-americana em falência

Bombaram por aí durante a semana notícias de que a Neiman Marcus, gigante da moda norte-americana que detém outras enormes como Bergdorf Goodman e My Theresa, está prestes a entrar com um pedido de falência. Faz sete anos que a rede de luxo, com 43 lojas em território estadunidense e mais de 14 mil funcionários, tenta contornar uma dívida atualmente avaliada em US$48 bilhões. As especulações são muitas, mas até agora o pedido ainda não foi feito à corte dos Estados Unidos. Um dos motivos, segundo essa matéria da Reuters, é que investidores pressionam a rede a suspender o pedido e optar por uma venda desmembrada, que desassocie Bergdorf e My Theresa, deixando Neiman Marcus à mercê do interesse da concorrente Saks Fifth Avenue. A dívida, claro, não é de hoje, mas certamente teve seu potencial danoso aumentado pelas proporções pandêmicas do coronavírus. 

A resiliência tem rosto de mulher

 

 

 

View this post on Instagram

 

 

 

A post shared by Marie Claire México (@marieclaire_la) on

A Marie Claire México fez de sua capa da edição de Maio uma homenagem às mulheres profissionais da saúde. Uma mulher com o rosto marcado pelos equipamentos de proteção usados massivamente no combate ao coronavírus representa toda a classe das “verdadeiras influenciadoras”, como chamou o veículo. A editora-chefe, Kira Alvarez, jogou luz nos desafios diários enfrentados por essas mulheres nesses tempos: “Isolamento, fadiga, multitarefa, medo do desconhecido, luta para se manter saudável (até mentalmente), pular refeições e banhos, lágrimas por falta de sono seguidamente por episódios de ansiedade, acreditando que você falha todos os dias, todo mundo pergunta sobre o bebê e ninguém pergunta sobre a mãe. A quarentena da covid-19 é muito parecida com o pós-parto”. Para fechar o texto, ela diz que “Hoje, mais do que nunca, acreditamos que a resiliência tem o rosto de uma mulher", em referência ao livro A Guerra não tem rosto de mulher, de Svetlana Aleksievitch, que reúne depoimentos de mulheres soviéticas que lutaram na Segunda Guerra Mundial (ótima leitura, aliás).

Quer comfort food melhor que carboidrato?

Reconfortante esta carta da editora da Bon Appétit, Sarah Jampel, falando que macarrão, pizza e pão têm sido seus grandes aliados da quarentena. “Estou me dando permissão para comer alimentos reconfortantes e nutritivos, mesmo que eu tenha comido macarrão em três das minhas quatro últimas refeições.”

Relacionamentos na quarentena

Particularmente, eu adoro acompanhar o Cupcakes and Cashmere, site da Emily Schuman: faço isso há anos! Eu sempre gostei dos textos da Kelly Johnson, gerente de marketing do C&C: lembro quando ela postou dicas para perfis em apps de relacionamento (e olha que eu nunca fui fã desse recurso, só gosto mesmo do tom dela), quando engatou em um relacionamento que virou noivado, postou o vestido, falou sobre adiar o casamento por causa do coronavírus, enfim! Me sinto praticamente em um BBB virtual quanto à vida pessoal dela. E aí, esta semana, ela revelou que está se reconstruindo porque terminou o tal relacionamento. Traçou um paralelo com outros términos, nos quais ela teve a oportunidade de mudar de emprego, de cidade, de cabelo, e a situação atual, que não permite nem que ela saia de casa, e como ela está encarando esse momento. “O peso que estou carregando agora parece bem mais pesado” é uma das coisas que ela divide. Textão em primeira pessoa de verdade, que me deixou bem reflexiva. Afinal, a quarentena tem jogado luz sobre questões até então despercebidas em relacionamentos, né? Seja em relacionamentos afetivos, seja com a pessoa com quem você divide apartamento, seja com seus familiares. Tem sido assim para todos nós, acredite. Beijos e até semana que vem :)

Em destaque

assine nossa newsletter

Voltar ao topo Voltar ao topo