X

Tudo o que você mais ama

Assine para receber muitas novidades,
promos, dicas e achados do fantástico
universo online. E claro,
tudo isso com muita inspiração.

05/11/2020 | Olívia Nicoletti

Coluna da Oli: quem você quer ser daqui para a frente?

Tudo beauty História

Quanto tempo se leva para criar ou abandonar um hábito? Um estudo da UCL (University College London) liderado pela pesquisadora de saúde e psicologia Phillippa Lally afirma que, em geral, as pessoas precisam de 66 dias para adquirir constância em algo em suas vidas — ou mudar algo que fazem constantemente. 

Me lembrei dessa pesquisa (que já tem dez anos de existência) no primeiro almoço que fui e encontrei mais de uma pessoa — passado o isolamento social mais intenso que instaurei em minha vida desde a chegada do coronavírus no Brasil. No momento de escolher uma roupa e fazer uma maquiagem, me deu tela azul: não sabia direito quem eu era.

A comprovação desse descolamento de mim mesma veio ao chegar ao local do encontro com dois casais de amigos quando me olhei no espelho. Eu usava uma sombra marrom escura que puxava um pouco para o dourado apenas nas pálpebras superiores sem máscara de cílios — algo muito atípico nas maquiagens que costumava fazer “na vida real”. 

Após meses sem fazer as unhas, passar maquiagem, fazer qualquer tratamento de cabelo em um salão de beleza, procedimentos estéticos em consultórios de dermatologistas e até pensar em roupas para ir a um evento especial, acredito que as mulheres que fizeram quarentena ao redor do mundo devam estar se sentindo como eu: um pouco órfãs de si mesmas

Me questionei. Repensei todo o meu acervo de produtos de beleza, doei muita coisa (entre itens de skincare, para o corpo, cabelo e, principalmente, maquiagem). Como escrevi aqui, cansei até do meu reflexo no espelho e me desfiz das longas madeixas que cultivava há cinco anos. Superado o susto, achei divertida a ideia de poder criar uma nova Olívia. Mas o fato é que a tela em branco começou a me agradar bem mais que uma possível novidade em termos de cores e texturas. 

Agora, ao passar bem mais tempo fora de casa que nos últimos oito meses, tenho apostado em produtos que realçam as características reais da minha pele em vez de cobri-la. Misturo com hidratante a base Les Beiges Water-Fresh Tint (Chanel), que é uma aguinha luminosa com pingos de pigmento, e uso como corretivo. Uso nas maçãs do rosto e (quando animada) nas pálpebras o batom Modern Matte Powder (Shiseido), na cor Disrobed, que é um marrom puxado para o rosa. O Lip Oil (Vult) finaliza e hidrata com a textura glossy na medida. 

Ainda tenho um grande apego ao arsenal mais parrudo que de muita gente que conheço que mantenho em casa (ainda que ele tenha diminuído em, pelo menos, metade). Sei que vou querer usar mais maquiagem que isso quando as festinhas voltarem. Mas o que eu pretendo mesmo levar dessa mini crise com a minha imagem é respeitar a minha pele, as minhas unhas e corpo e, acima de tudo, as minhas vontades. E você, quer ser quem agora? 

Em destaque

assine nossa newsletter

Voltar ao topo Voltar ao topo