X

Tudo o que você mais ama

Assine para receber muitas novidades,
promos, dicas e achados do fantástico
universo online. E claro,
tudo isso com muita inspiração.

19/04/2018 | Lorena Eleutério

Exposição da Hermès une o couro ao savoir-faire

Tudo Moda Lifestyle História


Na Hermès, o couro sempre foi mais do que um simples material. É um mundo, um idioma que fala e inspira os cinco sentidos. O couro tem suas texturas, perfumes e  cores. Parece bonito. Cheira bem. Curado, tingido, cortado, montado, costurado, patinado, polido... e assim que chegamos na primeira (de oito) salas dessa exposição. "Couroteca", assim nos foi apresentado esse espaço, que continha inúmeros tipos de couros -foram contabilizados mais de 300 na portfólio da label- , entre eles de animais dos mais exóticos como crocodilo, bezerro, touro...

Tudo é uma questão de savoir faire. Começando com as peles. O tesouro da brand é a caverna de Ali Baba que leva o nome de “Reserva do Couro”. Seu diferencial? As mais bonitas peles do mundo. Elas foram criadas, preparadas, curtidas e selecionadas, a menor falha foi rejeitada, e agora estão em ordem, classificadas, aguardando o toque de um dedo ou um olhar .Elas estão prontas para serem implantadas e empregadas, elas esperam seu tempo, até o momento mágico de sua metamorfose. Em seguida, as ferramentas e habilidades do trabalho handmade passam pelo corte, depois montagem e costura. Ah, essa é a segunda sala da exposição onde havia uma mesa que mostrava como o processo de modelagem era feito e é nesse momento perguntamos como era dividido essa parte de colocar a mão na massa na maison, e obtemos a resposta: toda peça era feita do começo ao fim pelas mão de um único artesão.

Na salas 3 pudemos acompanhar toda a linha do tempo da brand, desde suas peças primórdias que incluí desde objetos de selaria até mesmo luvas e capas de volantes na matéria prima que é sua marca registrada. Já na sala 4, onde tivemos o prazer de passar por um túnel com uma cortina de tiras de couro utilizadas para fazer as alças das bolsas, entramos em um submundo que podemos chamar de onde o sonho torna-se realizadade. Degustar uma maçã por dia é o seu modo de honrar o tempo e você sonha com um suporteespecial para levar sua fruta favorita, onde quer que você vá? Pedido aceito! Logo que entramos nessa salinha demos de cara com uma bag no formato da fruta, um pedido especial de um cliente da marca que ainda está vivo e que só emprestou -reforço, somente emprestou! -o objeto por honrar muito o nome da marca e saber da particularidade e importância da peçapara a mostra. Logo a direito nos deparamos com outros pedidos especiais como uma bag vermelha em formato de tambom e para nossa surpresa: uma sela ultra colorida e com asas de pégasus totalmente feita em couro. O pedido? Uma solicitação especial da vitrinista para maison.

 Entre as salas 5,6 e 7, o processo de curadoria continua, as bags mais icônicas estão expostas em diversos modelos, entre eles claro, mais um série de pedidos especiais que  dessa vez comtemplam o espírito nômade que a marca preserva no seu DNA.  Baú ou cofre, kit de viagem ou estojo de higiene pessoal. Os artesãos da oficina competem em engenhosidade e know how para conceber a habitação correta para cada objeto. Eis que entramos em uma sala mais escura, onde havia muitas bolsas expostas dando um destaque maior através de efeitos luminosos para os fechos e ferragens das bags-desejo. As luzes representavam a forma como a Hermès encherg esses adendos para a peça: uma joia. Seu lugar é central. Seu papel é sagrado. Feito para manter um tesouro. Ah, entre essas salas também passamos pela mascote da brand. Uma rinoceronte de fibra de vidro e acabamentos em madrepérola e em ouro que fez parte de uma das vitrines emblemáticas também...

 

 Na Hermès, o cavalo é conhecido não somente como “a conquista mais nobre do homem”, como Buffon e o cowboy desenhista Lucky Luke, mas também, respeitosamente, “o primeiro cliente da casa”. Sim, você sabia que a top label teve seu boom primeiramente no mercado equestre?  Tudo começou, em 1837, em uma modesta oficina de arreios em Paris. Foi lá que Thierry Hermès e seus artesãos trabalharam para garantir que os cavalos nos bairros elegantes da cidade fossem equipados de forma confiável e sofisticada. Entre um artigo e outro, nos deparamos com algumas bags que são facilmente confundidas com uma peça statament quando na verdade elas serviam como o recipiente para guardar a ração para os cavalos. 

Quando a gente havia achado que tudo tinha acabado, nos deparamos com uma big bag de uns dos modelos legendários da masion e em seu insterior variações ds Kelly e da Birkin  Os artistas fizeram mil variações nesses dois temas. São intermináveis encarnações; miniaturizadas, coloridas, divertidas,punk. O nome das bags mais emblemáticas da Hermès agora são escritos no plural. Elas são únicas,múltiplas e inspiradoras... Se você também ficou afim de vivenciar essa imersão nesse universo, corre! A exposição só fica disponível até o dia 22.04.

 Créditos: Tuca Reines

Serviço

Exposição “Hermès Leather Forever”
De 6 a 22 de abril de 2018
Shopping Iguatemi São Paulo 
Avenida Brigadeiro Faria Lima, 2232 – Estacionamento Boulevard
De segunda-feira a domingo, das 12h às 19h
Entrada gratuita

SHOP THE MOOD


 

Em destaque

assine nossa newsletter

Voltar ao topo Voltar ao topo