X

Tudo o que você mais ama

Assine para receber muitas novidades,
promos, dicas e achados do fantástico
universo online. E claro,
tudo isso com muita inspiração.

X
07/02/2019 | Sofia Stipkovic

Tudo o que Você Precisa Saber sobre a Copenhagen Fashion Week

Tudo Moda História

Uma charada para começar este texto. Preparado? Lá vai: o que é, o que é: recheia os dias vazios entre a alta costura e o start da maratona de semanas de moda internacionais, e reúne em uma das capitais mais geladas da Europa uma horda de fashionistas e seus suéteres, botas e casacos nada convencionais? Ora, ora, estamos falando da Copenhagen Fashion Week

Há pouco mais de dez anos agitando os nórdicos, o evento, que acaba de acontecer entre os dias 29 de janeiro e 1 de fevereiro, pode não ser ainda um dos principais do calendário de moda, mas certamente está no caminho dos holofotes. Se você perdeu os stories embalados das influenciadoras de sobrenomes cheios de consoantes ou as matérias escondidas nos sites de notícias fashion, este post é para você, pois promete recapitular em cápsulas frescas e rápidas tudo o que rolou na capital da Dinamarca nos últimos dias.

O CONCEITO POR TRÁS ENCANTA

Copenhagen já foi eleita a capital mais verde da Europa, tem nas bicicletas um dos meios de transporte mais usados, está sempre entre os dez melhores lugares para se viver no mundo, é sede de um dos maiores e mais importantes fashion summits e a lista de coisas boas continua. Basicamente, é uma cidade comprometida com a qualidade de vida e, principalmente, com a sustentabilidade. Não por acaso, o tema foi central para semana de moda, que é 40% financiada pelo poder público e 60% por patrocinadores privados - números abertos por eles mesmos no site oficial.

Fugindo do greenwashing - não lembra o que é o greenwashing? A Mari Villaça, nossa colunista, explicou em outro texto aqui - comumente praticado pelas grandes marcas, a Copenhagen Fashion Week levou a sério o tema, não apenas escolhendo a dedo marcas que se comprometem com processos têxteis e produção transparentes como também tentando tornar o evento todo mais sustentável, e, é claro, tornando o assunto um tópico quente nas rodinhas da moda - foi criada até uma equipe com personalidades relevantes do mundo todo na área para discutir sobre um futuro mais verde para esse mercado e essa fashion week.

 

NOVAS MARCAS, NOVOS ARES

Pense em uma marca dinamarquesa e não vale citar a Ganni porque essa já garantiu seu lugar cativo nas boutiques mais descoladas e nos grandes marketplaces. Lembrou de mais uma, duas, três? Não é comum ter nomes escandinavos na ponta da língua, por isso te damos um overall dos nomes que vale a pena ficar de olho.

J Lindeberg fez a alegria dos amantes do esportivo com perfume 90s, Munthe e Ganni deram vida às produções que vivem na intersecção entre o sofisticado e o laid-back, a Designers Remix colocou sob a luz sua veia sustentável - que também foi core da fashion week no geral -, e Stine Goya brilhou com seus florais, bordados e babados.

Imagens do backstage da Stine Goya.

TEM POLÊMICA TAMBÉM

Discreta, mas badalada, a Copenhagen Fashion Week também viveu sua dose de polêmica. Dessa vez, agitada pelo desfile da Ganni, marca mais conhecida do line-up da semana de moda, que vinha com a temática "Life on Earth". À volta da passarela, grandes painéis que mostravam fotos de paisagem, natureza e pessoas do mundo todo, clicadas pelo fotógrafo Ami Vitale.

A bola levantada por muitos - mas principalmente pela consultora, editora e fundadora do Our Second Skin, Anaa Saber - foi: por que a Ganni usou, entre os cliques, imagens de mulheres em situação de vulnerabilidade social e econômica em países subdesenvolvidos como pano de fundo do seu show, que teve, em sua maioria, modelos brancas desfilando as peças not-so acessíveis da marca? Não parece uma atitude muito sensível e não é, mas comum ainda em sociedades ocidentais que historicamente veem muitas culturas como exóticas, as objetificando consequentemente - no caso, apenas como backdrop de passarela. Recomenda-se não apenas levar o feedback para casa e refletir, mas aplicar as mudanças a partir dele também.

Imagens do desfile da Ganni.

A PATOTA DA MODA FEZ CHECK-IN

(Quase) Todas elas estavam lá. Anote aí a sequência de nomes de peso que deram entrada em terras escandinavas: Leandra Medine (Man Repeller), Susie Lau (Style Bubble), Babba Rivera, Alyssa Coscarelli (ex-Refinery29), Brooke Bobb (Vogue Runway), Jessie Bush (WeThePeopleStyle), Lucy Williams, entre outros nomes hypados do Instagram.

Fora as estrelas internacionais, a Copenhagen Fashion Week contou com toda a patota danish que a gente tanto ama seguir nas redes: as garotas do Social Zoo, um hub de marketing de influência e consultoria fundado e comandado diretamente por Pernille Teisbaek e Hannah Løffler. Para quem as acompanha e segue também scandi girls como Hanna Stefansson, Jeanette Friis, Cathrine Widunok e Emili Sindlev, a última semana foi uma verdadeira imersão.

 

FORA DO CIRCUITO

Para além de todas as boas razões citadas no início desse update, Copenhagen ainda está distante desse circuito mainstream (Nova York, Londres, Milão e Paris) e, por isso, representa um sopro de criatividade e diferentes visões sobre a moda. Traçando um paralelo chulo com o Brasil, está como a Casa de Criadores, caldeirão fervilhante de novas ideias, está para o São Paulo Fashion Week, uma estrela cadente sem brilho há muitos anos. E, cá entre nós, como é bom às vezes se jogar no novo, não é?

 

Em destaque

assine nossa newsletter

Voltar ao topo Voltar ao topo